Compostagem

ProteGEEr visita pátio de compostagem modelo em São Paulo

Por ProteGEEr, publicado em 06.02.18, última modificação em 06.02.18
ProteGEEr visita pátio de compostagem modelo em São Paulo

Leiras – Pátio da Lapa / Crédito: Hélinah Cardoso

Referência em compostagem dos resíduos de feiras livres, como frutas, verduras e legumes, o pátio de compostagem da Lapa, criado em 2015 como um projeto piloto, vem se destacando em São Paulo com o programa Feiras e Jardins Sustentáveis da Lapa. A iniciativa foi visitada pelo Projeto ProteGEEr, que, além de outras coisas, promove ações que se baseiam em modelos de gestão de resíduos que mitiguem as emissões de gases de efeito estufa.

O programa Feiras e Jardins sustentáveis adota um sistema de compostagem de resíduos orgânicos baseado em um método criado pela Universidade Federal de Santa Catarina e o Centro de Promoção e Estudos da Agricultura de Grupo (Cepagro), que utiliza a arquitetura de canteiros dispostos para receber os resíduos, técnica conhecida como leiras estáticas de aeração natural.

A iniciativa é uma realização da Secretaria de Serviços, por meio da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), em parceria com a Subprefeitura da Lapa e a empresa Inova, responsável pelos serviços de limpeza nas regiões norte, oeste e central do município.

Esses pátios de compostagem possibilitam a mitigação dos gases de efeito estufa por meio do tratamento da fração orgânica dos resíduos, da otimização de rotas de transporte, redução dos resíduos dispostos em aterros sanitários e consequentemente o aumento da vida útil dos aterros. A compostagem representa, neste contexto, uma tecnologia de baixo custo que traz inúmeros impactos positivos diretos e indiretos, para a gestão de resíduos local.

O pátio de compostagem da Lapa composta cerca de 240 toneladas de resíduos orgânicos por mês, recebidos de 52 feiras, sendo 26 feiras da Prefeitura Regional Lapa e 26 distribuídas nas prefeituras regionais de Pirituba-Jaguaré, Casa Verde, Freguesia do Ó e Pinheiros.

Para Eng. Agrônomo Rafael Golin (Supervisor de Limpeza Pública), “esse projeto tem um grande potencial de replicação para outros municípios no Brasil e isso contribuiria diretamente para uma melhor qualidade de vida da população. Reciclar resíduos orgânicos é reciclar a nossa vida no Planeta Terra. ”

Para saber mais: Compostagem Doméstica, Comunitária e Institucional de Resíduos Orgânicos: Manual de Orientação