Ministério do Meio Ambiente

Brasil discute avanços na gestão de resíduos

Por ProteGEEr, publicado em 07.06.18, última modificação em 19.06.18
 Brasil discute avanços na gestão de resíduos

Créditos: MMA

Na tarde desta quinta-feira, a diretora do Departamento de Qualidade Ambiental e Gestão de Resíduos do Ministério do Meio Ambiente, Zilda Veloso, participou de mesa de discussão sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), no dia de encerramento do Congresso Internacional Cidades Lixo Zero, em Brasília. A PNRS foi instituída pela Lei 12.305, em agosto de 2010, após 20 anos de discussão no Congresso Nacional.

"Investir em gestão adequada de resíduos reduz a contaminação do meio ambiente e gera um investimento menor em saúde pública no futuro. Essa é a conta feita em países desenvolvidos", exemplificou Zilda Veloso. Segundo ela, enquanto no Brasil a cidade que mais investe em tratamento de resíduos por habitante é Brasília, com R$ 100 por habitante/ano, em Tóquio esse valor é multiplicado por 10, com mil reais/ano por habitante para o tratamento dos resíduos sólidos.

CLIMA

O MMA também participou do painel Proteção do Clima na Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos, organizado pelo projeto de cooperação ProteGEEr (MMA, Ministério das Cidades e a Agência de Cooperação Alemã GIZ). O analista ambiental Lúcio Costa Proença apresentou palestra sobre os desafios de gestão dos resíduos no Brasil. Segundo ele, do total de resíduos, 30% são recicláveis secos, 50% orgânicos e 20% rejeitos (destinados aos aterros sanitários). "Reciclar mais significa reduzir os gases de efeito estufa. Infelizmente, hoje, mais de 90% dos resíduos no Brasil ainda vai para os aterros", afirmou Lúcio.

Para ler mais, clique aqui